Excavations 2017


This is a temporary blog for presenting the excavations of 2017 at Perdigões. Posts from 2011 to 2016 are still available.

Wednesday, 29 July 2015

087 – Day 17

Another busy day. Today the stelae at Gate NE were removed.  Gate NE has been the area of work for some time now of the team of Málaga University that is collaborating with the Global Research Program of Perdigões, with a sub-project integrated in Era’s project.

Here are, assisting to the removal, Rodrigo Balbin, António Valera, Mimi Bueno and Pepe Márquez.


The removal was directed by Pedro Braga, Era’s restoration expert (on the right in the photo).


And here is the biggest stelae being transported by Sr. Joaquim, an expert in manoeuvring that machine.


Finally, here are the stelae ready to be studied by Rodrigo and Mimi in the context of Málaga sub-project. Beatriz gives the scale and the study begins tonight.


But today was also the open day for the children (arround 80 of them). These ones were lucky and could see the removal of the big stone.


8 comments:

  1. Estou a acompanhar desde o primeiro dia . Não sei como descrever o que sentiria se fizesse parte dessa equipa e tivesse o privilégio de estar presente . E já agora,meus senhores e senhoras, estamos em Portugal, os monumentos são portugueses , façam um pequeno esforço e escrevam na vossa lingua mãe porque nem todos têm a capacidade de saber inglês,obrigado .

    ReplyDelete
  2. Caro Pedro Motta. Agradeço o seu comentário e interesse. Quanto à questão da língua, fazemos um esforço por atingir o máximo de gente interessada e por isso recorremos ao inglês. Ao fazê-lo acreditamos estar a beneficiar o património português, a Arqueologia portuguesa e a pontenciar a projecção internacional da mesma, sem a qual dificilmente poderemos hoje progredir (parcerias internacionais são fundamentais para abordar sítios tão grandes e complexos como os Perdigões). Não se trata de minimizar a língua portuguesa (respondo em português e sem respeito pelo acordo ortográfico). Trata-se de elevar o patamar de projecção deste importante projecto da arqueologia portuguesa e com isso reforçar a sua posição em termos internacionais, mas também nacionais (a investigação ultrapassa fronteiras). Percebo o seu lamento. Espero que entenda o meu agumento. Cumprimentos.

    ReplyDelete
  3. Eu compreendo o interesse na projecção deste local e do trabalho que está a sêr feito . Não me expressei correctamente ,peço as minhas desculpas por isso , eu entendo e concordo com o uso do inglês nas descrições das imagens ,mas também não vejo muito esforço deixar uma mensagem em português .Deveria têr escrito isto. Obrigado por têr respondido .Gostaria de lhe perguntar se me poder responder, durante quanto tempo irão proceder ás escavações ? Espero que não seja mais um trabalho ,não digo que seja do interesse da equipa de escavação, em que se escava uma área correspondente nunca mais que 5 a 10% da totalidade da área e que depois fique entregue ao destino das silvas e terra como é hábito na grande maioria das escavações arqueológicas . Como eu disse ,não estou a acusar ninguém pessoalmente . Mais uma vez muito obrigado por ter respondido e peço desculpa por o meu longo texto . Mas o coração fala-me sempre mais alto.

    ReplyDelete
  4. As escvações nesta campanha terão mais duas semanas e o que resta desta. As do Programa Global de Investigação, bom, duram há 18 anos e no que depender de nós durarão outro tanto... ou mais. As escavações e a consequente produção e partilha de conhecimento. Para que isso seja possível a divulgação e o interesse de todos é muito importante.

    ReplyDelete
  5. This comment has been removed by the author.

    ReplyDelete
  6. Obrigado por responder . Eu estou a tentar ir até aí e se possivel conhecer o local e o que foi recolhido das escavações ,aind este ano .Tenho tantas perguntas a fazer sobre o contexto do local ... mas vou lhe perguntar algo um pouco fora do contexto do valor histórico. Como é que eu ,não sendo arqueólogo,ou técnico e sem ter nenhuma habilitação na área da arqueologia ,poderia participar ,sem ser pelo voluntariado que a vida infelizmente não é fácil ,nas escavações ?

    ReplyDelete
  7. Caro Pedro. O voluntariado seria a única forma de participação e sempre condicionado a um processo de selecção. É que há sempre muitos candidatos para prticipar nas escavações e as verbas não esticam para receber todos os que gostavam de colaborar.

    ReplyDelete
  8. Obigado senhor Valera por me esclarecer .Desejo-lhe a maior das sortes nas vossas escavações e digo-lhe que vos "invejo" do tamanho do mundo ,até a um dia.

    ReplyDelete